sexta-feira, 26 de março de 2010

Mulher na presidência do Mengão

                                                               foto divulgação

Não, não, não... não é uma puxação de saco pro Mengão não! É que fico muito feliz em ver uma mulher trabalhando, dando a cara à tapa e se saindo muito bem. Então resolvi postar sobre a Patrícia Amorim. Vale a pena ler, pois nos motiva a fazer realmente a diferença nesse país, e quem sabe... no mundo.


Com apenas cinco anos, Patrícia Amorim já surpreendia: atravessou a Baía de Guanabara a nado.
Aos sete, passou a competir pelo Flamengo e na década de 80 foi considerada a melhor nadadora
do país: quebrou 29 recordes sul-americanos e foi 28 vezes campeã brasileira.

Hoje, com 41 anos, está no terceiro mandato como vereadora do Rio de Janeiro e acaba de assumir a presidência do time de futebol de maior torcida do Brasil. É a primeira mulher em 114 anos a conquistar o cargo de comando do Flamengo... (iupiiiiiiii)

Seja na sede do clube, na Câmara dos Vereadores ou em casa, ela dá conta do recado. Além do marido, é mãe de quatro filhos homens. E acredite, mesmo com a agenda lotada, ela não perde uma reunião de colégio das crianças.
 
Quando a natação entrou na sua vida e o que ela representou para você na juventude?
Patrícia Amorim: Eu praticamente já nasci dentro de uma piscina. Aos 5 anos, fiz a travessia da Baía de Guanabara e aos sete já competia pelo Flamengo. Passei minha adolescência e juventude nadando. Mas não me arrependo. Nadava por prazer. Deixei de participar de vários eventos que meus amigos participavam, mas isso não me incomodava. Gostava de treinar, me preparar para as competições e fazer bons resultados.

Hoje você está no terceiro mandato como vereadora do Rio de Janeiro. Já tinha pensado em seguir a carreira política antes?
Patrícia Amorim: Nunca. A política entrou na minha vida meio por acaso. Era vice-presidente de esportes olímpicos do Flamengo e havia um grupo de discussões que achava que o clube precisava de um representante político. A Georgette Vidor [técnica de ginástica artística feminina do Flamengo] sempre foi politizada e ela era o nome. Só que as eleições para vereador eram sempre em ano olímpico e não tinha como ela se comprometer. Aí sugeriram meu nome. Eu levei um susto, levei na brincadeira, mas a coisa acabou se tornando séria.

Você sofreu algum preconceito na candidatura por ser mulher?

Patrícia Amorim: Na campanha, principalmente. Tinham candidatos que faziam jornais apócrifos e outros que iam para a televisão dizer "eu sou o homem" para presidir o Flamengo. Foram ataques de todas as formas, mas consegui chegar ao final da campanha como me propus: de forma honesta, digna e, principalmente, sem atacar ninguém. Depois que fui eleita, alguns nomes do clube me olhavam com certa desconfiança, mas a cada dia isso vem diminuindo. Venho respondendo com muito trabalho.

Está nos seus planos incrementar um time profissional feminino para o Flamengo? Quais são suas prioridades?
Patrícia Amorim: Minha prioridade é entregar o Flamengo muito melhor do que encontrei. E para isso não medirei esforços. Quanto ao futebol feminino, tenho muita vontade de ter um time de futebol feminino, mas antes preciso arrumar a casa. Se aparecem parceiros interessados faço o time na hora. Hoje o clube não tem condições de arcar com esse custo.

Como você concilia a presidência do clube de maior torcida do país, com o cargo de vereadora, cuidar dos filhos e as três escolas de natação?
Patrícia Amorim: Não tenho problemas com o tempo, muito pelo contrário, sempre trabalhei para vencer o tempo e sempre consegui vencê-lo. Além disso, o cargo de Presidente não é remunerado e, desta forma, é importante que ele tenha as suas fontes de renda fora do clube. Sempre acordei cinco horas da manhã; se precisar fazer isso novamente não será problema para mim. Quanto aos meus filhos, tenho um excelente marido que supre a minha ausência em alguns momentos. Mas nunca faltei em uma reunião deles no colégio. Sou super presente, mas para isso tenho uma agenda organizada e ficou louca quando entra algo no meio que não foi programado.

Com tantas atividades, sobra algum tempo para você?
Patrícia Amorim: Sinceramente, não (risos).

Quais os principais cuidados com beleza e saúde que você faz questão de seguir?
Patrícia Amorim:  Costumo fazer minhas unhas às segunda-feiras e, quanto à alimentação, não tomo refrigerantes e nem bebidas alcóolicas.

Você é daquelas mulheres vaidosas que não conseguem sair de casa sem maquiagem ou você segue um estilo mais básico e prático?
Patrícia Amorim: Sou super básica e prática. De uns tempos pra cá tenho andado com um kit de maquiagem dentro da bolsa por causa das entrevistas, mas não era de hábito.

Por Marjorie Ribeiro, trecho retirado do www.guiadasemana.com.br

Até lá. (e sigamos o exemplo...)

1 comentários:

Anita disse...

adorooooooooooooooooooooo!!!
achei mto interesante,e acho que isso vai ser mais uma vitoria pra os Flamenguistas,assim como eu é claro!!! tudo de bom excelente mulher

Postar um comentário